domingo, 23 de maio de 2010

Trabalho doméstico: quem quer?

Ontem fui visitar amigos jovens, que estão morando juntos há pouco tempo. Ele bem novinho, ela uns poucos anos mais velha e com dois empregos, jornada tripla diária. Ele ainda está em formação. Ela já é bacharel e já está no mercado de trabalho. Quando "a pergunta que não morre" veio à baila, "ele está colaborando nos servições domésticos?", a conversa ficou entrópica! Não sei o que acontece, se se trata de um problema cultural ou mesmo de uma certa deficiência cognitiva do homem (não importa idade ou experiência constitutiva), mas, de um modo geral, os companheiros, maridos, namorados ou ficantes, quando estão em casa com suas amadas, não veem a sujeira, a desorganização e a premência de alguns procedimentos higiênicos a serem tomados. Confesso: é um mistério para mim! A reclamação do mulherio é geral! Todas as minhas amigas reclamam de seus parceiros e raros são os homens que fazem um 'mezzo a mezzo' na limpeza e organização doméstica com suas mulheres. Eu destesto ir ao supermercado, por exemplo, e raras são as vezes em que sou poupada disso. Gosto de lavar louça, roupa, passar a ferro (a vapor, claro!), cuidar da casa, em geral! Não me importo! Nunca reclamei disso, nem quando tinha criança pequena em casa. O problema é ter de cuidar de tudo, referente a duas pessoas, sozinha. A sobrecarga de um só, no ritmo da vida atual, é inaceitável! Algumas relações estarão fadadas ao infortúnio se o trabalho doméstico não for elaborado a dois, discutido a dois, compartilhado a dois e avaliado a dois...

9 comentários:

  1. Para mim isso é uma deficiência na educação dos homens, pois são raras as vezes que nos deparamos com mães que tenham filhos homens e que os ensinam desde pequeno a colaborar em casa e participar do universo feminino, para então depois poderem reproduzir o que aprenderam nas relações com as suas companheiras. É uma pena mesmo, mas como essa situação é quase mesmo que geral, no fim temos que acabar escolhendo os homens que tem outras qualidades, fora essa, para então fecharmos os olhos em relação a algumas omissões e viver em harmonia, pq Príncipe Encantado, jamais vai existir, e prefiro por ex. ficar com um homem que tem um déficit nessa área do que não seja parceiro, amigo, ou fiel por ex..
    Minha opinião..
    Bjss

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Mi e com Freud ... o problema está no relacionamento com as mães. É uma questão cultural mesmo, meninos são excluídos do trabalho doméstico. Eles não participam, desconhecem as rotinas de limpeza e organização. Acredito que a próxima geração já seja educada de maneira diferente.
    No meu caso, as brigas SEMPRE envolveram de alguma maneira as questões de trabalho doméstico.
    Me coloco no lugar do meu namorado e imagino como deveria ser ruim receber "ordens" o tempo todo: "arruma isso, tu não estás vendo que tal coisa está suja, tu não me ajuda em nada, tu não podia levar o lixo, hoje é teu dia de limpar o chão ...". Para mim isso também era desgastante.
    O que eu fiz? Na verdade eu parei de fazer. Sim, de fazer tudo. Parei de cobrar, de alertar, de arrumar e limpar. O que ele fez? Começou a enxergar. Depois que a casa virou um caos sujo, que as roupas dele começaram a faltar no armário (pq estavam no cesto para ir à lavanderia), que não havia mais louça limpa ele começou a tomar iniciativas. Hoje temos funções bem delimitadas (estas delegações não foram impostas, mas foram sendo feitas naturalmente).
    Durante a semana eu não faço nada. Eventualmente cozinho, ele lava. Ele arruma o quarto (com excessão das roupas), cuida da areia da gatinha, varre a casa, tira o lixo. Nos finais de semana eu coloco um pouco de ordem nas coisas. Limpo o fogão, lavo as roupas e dou uma organizada.
    Se não for assim, acredito que, como tu disseste, dividir um teto não dá certo. Mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com ambos os comentários.
    No meu caso, o inicio foi bastante complicado, pois precisei entender que ele não enxergava as coisas que precisavam ser feitas em casa, sem que eu pedisse ou implorasse ou desse um "piti", pois ele nunca precisou fazer nada em casa, sempre teve tudo...foi isso o mais complicado, mas decidi tentar e percebi que conversando as coisas iriam melhorar, comecei falando...., “somos uma equipe e precisamos nos ajudar, os dois trabalham fora e precisam colaborar”. Então foi ai que a coisa começou a mudar...dividíamos as tarefas, eu limpava o banheiro e a cozinha e cuidava das roupas e ele passava aspirador e tirava o pó e tirava o lixo! Assim foi por algum tempo até que ele começou a reclamar que não estava a fim de ficar limpando a casa no final de semana...bom então o que sugeri?! Então você paga uma diarista que venha nos ajudar a cada 15 dias....e assim funcionou por um tempo, ate que ele achou muito caro pagar para ela fazer as tarefas...hihihi e voltamos a estaca zero!! Mas hoje ele me ajuda, se peço e chamo a faxineira quando me sinto sobrecarregada...e ele paga!!!
    Mas aprendi que eles não enxergam as coisas para fazer, é preciso negociar, pedir... e deixa a responsabilidade para eles...se ele falou q vai lavar a louça hoje, ele vai ter que lavar, pois não vou colocar um dedinho nela, nem que fique uma semana!! O que é combinado não sai caro, mas é preciso ter paciência, principalmente com as coisas jogadas pela casa!! Enfim, muita paciência no relacionamento é fundamental....embora não seja nada fácil!
    Acho também válido, negociar as tarefas que cada um gosta de fazer....para ninguém ficar sobrecarregado e isso afetar o relacionamento...

    ResponderExcluir
  4. Bem, o espírito da coisa vcs já entenderam, queridas. Nascemos e somos programados para sermos MENINOS. Isto implica em jogar bola, subir em árvore, fazer xixi de pé - e em qualquer lugar!!!! - matar baratas, ver o que é o barulho durante a noite.
    Não, nossos brinquedos não incluem panelinhas, tanques, máquinas de lavar, geladeiras. Temos Comandos em Ação (ainda existe?), carrinhos, espadas, guerras em geral, bolas, redes, bicicletas, gritos, sujeiras, joelhos ralados. Viram? Nada de lavar, passar, arrumar. No máximo recolher os brinquedos. E socá-los onde der pra mãe não torrar a paciência.
    Não nos culpem. Nossos olhos sabem dizer se o atacante está ou não na linha de impedimento - aquela linha imaginária que acompanha o último jogador do time adversário - mas não nota roupas no chão, pó, louça para lavar.
    Não nos negamos a fazer - apesar de esperar eternamente um estudo científico que GARANTA que isso não vai diminuir o pinto - mas precisamos de uma simples solicitação. Não cobrança. "Querido, por favor, podes lavar a louça para mim hoje?" funciona bem melhor do que "ah, não, fulaninho, é todo dia eu que lavo esta merda!"
    Aprendam a pedir, amadas! heheheheh
    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Ele acaba de descrever uma criança. Ou seja, homem não amadurece! Obrigada pela resposta Cacius! hahauhuahuahua
    Sem falar que o "Querido, podes lavar a louça hoje?" Não funciona e há estudos que comprovam.
    Ou seja, além de não crescerem sofrem de uma perda auditiva preocupante ao longo da vida. huahuahuahuauhahu
    Ro.. acho que não preciso dizer mais nada né? ;)
    Beijos meu amor!

    ResponderExcluir
  6. Olha, eu parei de preocupar e sofrer com isso... E deu certo, pois meu marido não é totalmente perfeito, mas colabora sempre que pode, pois também é bastante ocupado... E sempre que peço ajuda ele atende... Às vezes, vejo que tem a ver com a educação que os homens tiveram em casa, das mães... Freud, de novo... Mas pode ter a ver também com nunca terem morado sozinhos, de sempre ter alguém que tome todas as providências práticas da vida por eles... Agora passo os meus dias menos tensa e não me estresso mais com essas coisas da casa... Tô mais feliz!

    ResponderExcluir
  7. Uma QP é uma Quick Page mãe, um scrap já pronto em que a pessoa tem que apenas colocar as fotos embaixo. Bjss

    ResponderExcluir
  8. Eu de uma forma concordo com o Cacius. São poucos os homens que conseguem mudar suas atitudes e serem espontâneos na lida doméstica. Acho que se eles não ajudam por livre e espontânea vontade, não custa pedirmos com educação, e tenho certeza de que eles não vão negar. Acho que essa coisa de estudo como a Dany disse é mto relativo, pois pode funcionar para alguns e para outros não. Aqui em casa por ex dividimos as tarefas, mas deixo para o Jr as tarefas que sei que ele não se negaria a fazer, e qdo preciso peço gentilmente e ele me atende na mesma hora. O que não pode é dar pitis pois isso só deteriora a relação e a mulher passa a ser uma mãe sargentona dentro de casa.. Isso não pode!!

    ResponderExcluir
  9. Pois é, meninas, a Mi tem bem claro o que eu expus. Olha, eu sou bem chato com casa, morei pouco tempo sozinho, mas suficiente para ter minhas próprias manias. Mas pegar um carinha que morou o tempo todo com a mãe - e em regra mãe não nos deixa fazer nada - e querer que ele veja pó sobre a mesa de centro? Bem, só se o pó está acumulando por um mês...e olhe lá.
    Nos ajudem. Não nos vejam como "folgados".
    Sem sacanear, mas quantas de vocês conferem calibragem de pneus dos carros? Alinhamento, balanceamento, nível do óleo? Pois é.. se fazem, são minoria, porque o "programa cuidar do carro" faz parte do "kit menino", entenderam? Somos apenas diferentes!

    ResponderExcluir