segunda-feira, 18 de março de 2013

DOCUMENTÁRIO DE HERZOG SOBRE A CAVERNA COM OS MAIS ANTIGOS DESENHOS RUPESTRES DO PLANETA

Assisti a três longas neste finde, em Porto Alegre (escreverei sobre o longa alemão "Barbara" e sobre a versão do "Anna Karenina" a seguir). Vou começar meus comentários pelo documentário do cineasta alemão Werner Herzog, "A caverna dos sonhos esquecidos" (2010), a que tentei assistir no Berlinale de 2011, mas não consegui ingresso. Depois, o documentário também foi atração na Mostra de SP de 2011, mas não pude ir. De Herzog, assisti a uma boa parte de seus filmes: Aguirre, Fitzcarraldo, O enigma de Kaspar Hauser, Stroszeck, Nosferatu, Coração de cristal, Woyzeck, Onde sonham as formigas verdes, No coração da montanha e Cobra Verde. Há mais uns dez longas dirigidos por ele que não chegaram ao Brasil ou eu os perdi mesmo em circuito comercial. Então, finalmente, em uma sessão lotada no Itaú Cinemas no sábado, às 11h, em 3D, pude conferir o documentário sobre a famosa Caverna de Chauvet (nome de família de um dos cientistas), no Sul da França/Bélgica, na região montanhosa de Ardennes, onde três pesquisadores encontraram uma caverna enorme, cuja entrada principal havia sido lacrada, há 20 mil anos atrás, por um deslizamento. Dentro dela, puderam registrar e escanear os mais lindos e antigos desenhos rupestres produzidos por uma mão humana, ou várias, há 32 mil anos. Herzog fez o que pôde, em consonância com a autorização que lhe fora conferida pelo Ministério da Cultura da França. Apenas um pequeno grupo de cientistas pode entrar na caverna, descoberta em 1994, que já tem uma porta blindada e dois guardas permanentes. Pelo que Herzog comenta no filme (que ele próprio narra) já estão pensando em fazer uma réplica a alguns quilômetros dali e estimular a visitação de turistas. Réplica? Absurdo! Eu não gastaria minha grana nisso. Também comentou algo que eu desconhecia, que a Caverna de Lascaux foi fechada, definitivamente, em função da respiração humana concentrada em demasia, no ecossistema da caverna, o que estaria provocando mofo nas pinturas rupestres. Não tenho notícias da Caverna de Altamira, na Espanha. Esse é o fim das cavernas? Não vou morrer sem conhecer uma coleção de desenhos rupestres, ao vivo. Mesmo que os nossos expoentes - encontrados por Niède Guidon, à frente de uma missão franco-brasileira, que, desde a década de 70, vinha tentando mapear desenhos rupestres do homem americano - sejam mais jovens, hoje mesmo, pela manhã, já fiz contato com uma agência de turismo do Piauí para que me levem da capital Teresina até a área do Parque Nacional da Serra da Capivara. Pretendo, no feriadão de 20 de setembro, conhecer os desenhos de São Raimundo Nonato. Quem vem junto? 

3 comentários:

  1. Respostas
    1. Sério? Tô aguardando o retorno da agência, que está calculando o pacote de quatro dias para mim. Te repassarei o email, amiga! Um beijo e que tu tenhas uma experiência estética no Lolla em SP.

      Excluir
  2. Fiquei louca de vontade de assistir a esse documentário. Principalmente por ele ter mexido tanto contigo, deve ser algo fantástico mesmo.
    Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir