segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O DESFAZER-SE DO AMOR



O amor é um animal
desprevenido, ressentido e precipitado:
uma teia que se desfia pouco a pouco...
que quer se esquecer daquilo que machuca, que machucou,
sem perceber que o que machuca/machucou é o que salva o animal!

- Guardemos silêncio, amigos, para que possamos ouvi-lo, tragicamente,
desfazer-se!

Rô Candeloro - em 12 de setembro de 2011, às 19h, depois de as 'torres' caíram!

Nenhum comentário:

Postar um comentário